Um dia os burocratas e políticos de São Paulo decidiram agir para combater a poluição atmosférica da cidade e resolveram criar o programa de

Inspeção Veicular Ambiental

(IVA) para monitorar um dos maiores poluidores: o veículo automotor.

A idéia do IVA é simples

: anualmente medir as emissões de poluentes dos veículos da cidade. Abaixo de certos limites, o veículo está aprovado. Acima, reprovado. Nesse caso o dono deve efetuar os ajustes e consertos necessários para reduzir a emissão de poluentes e resubmetê-lo à inspeção, até ser aprovado (ou desistir.) Um veículo reprovado é proibido de se licenciar e, portanto, perde o direito de circular pela cidade.

Vou modelar esse processo para brincar com o Bonita e aprender a usá-lo melhor.

Vamos tratar do meu caso: dono de carro que precisa levar o veículo para ser inspecionado (e, tomara, ser aprovado.) O processo, como eu o experimento, é o seguinte:

  1. O dono do carro paga a taxa da inspeção.
  2. O dono do carro seleciona um posto de inspeção e agenda-a.
  3. O dono do carro leva o carro até o posto de inspeção na data marcada.
  4. O inspetor examina o carro.
  5. Se houver irregularidades, o carro é reprovado e um laudo, que inclui as prováveis causas) é emitido e entregue ao dono do carro. O dono tem 30 dias para efetuar os reparos e trazer o veículo para re-inspeção.
  6. Se não houver irregularidades, o carro é aprovado e um selo é colado no para-brisa do veículo.

Não vou modelar o caso de irregularidade, para simplificar.

Para manter o registro da inspeção eu preciso de uma única tabela, com um registro simples:

  • Renavam
  • CPF
  • Aprovado (caractere: S ou N.)

Depois podemos enriquecer e colocar datas, indicadores de taxa paga etc. Mas por ora, bem simples está bom.

É isso! Próximo passo: desenhar o processo em BPMN.

Taken from – 

Inspeção Veicular Ambiental